domingo, 10 de setembro de 2006

1. ad valorem 2. Águas furtadas 3. O "Eduquês" em discurso directo

  1. Já antes havia sido desafiado para subscrever uma coluna num jornal. Na altura optei por fazer “Observações” – assim se chamava o cantinho que me reservaram –, pequenas notas satíricas sobre a realidade que então vivíamos. Agora volto a escrever sobre temas “sérios” e, uma vez mais, vou estar em aparente desvantagem relativamente aos que têm jeito para contar histórias, ou em relação aos que conseguem apimentar as suas prosas com refinado sentido de humor. Todavia, acredito ser possível tratar com seriedade temas do nosso quotidiano e, em alguns casos, sem menosprezar a sua importância, talvez até nos consigamos rir das nossas próprias desventuras.
    Desta feita a coluna chama‑se ad valorem. Reflecte a convicção de que as pessoas têm valor e de que têm valores. Mesmo os mais burgessos. Logo, possuímos os ingredientes necessários para ultrapassar obstáculos e para vencer contrariedades.
    Cada coluna poderá ter um ou, tal como hoje acontece, mais títulos. Tudo vai depender do número de temas prementes, da profundidade dada a cada abordagem e, naturalmente, da gestão do espaço de que disponho.
  2. “Águas furtadas” é o segundo título de hoje. Já irão perceber que este é para ser interpretado literalmente. Não sei se li, não sei se ouvi, que um dos furos da captação das Chocas está seco ou praticamente seco. O que a mim causa imensa estranheza é que soubemos disto logo num ano caracterizado por uma relativa abundância de pluviosidade. Se tal tivesse acontecido no ano passado – claramente um ano de seca – já não se estranharia rigorosamente nada. Agora este ano? Uma de duas: ou tal furo já secou há mais tempo; ou, caso contrário, esta história está mal contada. A boa notícia é que, por enquanto, ainda não houve (que eu saiba) cortes no abastecimento. Fala‑se que água está a vir da cerca do Convento de S. Francisco (Quartel de Cavalaria), de alguns furos e nascentes cedidos por particulares e – também já ouvi esta – do Sátiro. A ser verdade, quem ficaria a perder seria o Gadanha. No entanto, a autarquia esclarece que a secura do lago (ainda é lago?) se deve a fissuras provocadas pela instalação dos repuxos. Portanto, leia-se, culpa de outros… Alguém faz o favor de nos esclarecer? Já agora: tranquilizam-nos também a propósito do tratamento das águas de consumo público?
  3. Este é o título do livro que li durante a pausa lectiva da Páscoa. Nele o autor, Nuno Crato – doutorado em Matemática Aplicada e docente no ISEG –, “disseca com rigor e impiedade os lugares‑comuns em educação.” Recomendo… muito mesmo!
    (Publicado em 21 de Abril de 2006 no Jornal Brados do Alentejo
    http://bradosdoalentejo.com.sapo.pt/)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de página

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter