quinta-feira, 26 de julho de 2007

Secessão ou sucessão?

Nota prévia

As opiniões expressas nesta coluna apenas vinculam o seu autor.

Os desaires de Mendes

Presumo que Marques Mendes não se sinta, politicamente falando, um homem feliz. De facto, as coisas têm-lhe corrido mal desde que, na sequência do desaire eleitoral do seu antecessor, Santana Lopes, se afirmou como alternativa à liderança do PSD. Logo nesse dia, o impacto gerado não foi exactamente aquele que se pretendia. Ao invés de se transmitir a ideia de que o seu partido se autoregenerava, o que conseguiu foi veicular uma imagem de alguma falta de decoro por não ter deixado "baixar a poeira", chocando a sensibilidade daqueles que ainda carpiam as mágoas pela derrota eleitoral sofrida. Não controlando a sua ansiedade, não esperando que Santana anunciasse que iria sair para então se afirmar como candidato à sucessão, Mendes entrou com o pé torto.

Já antes tinha tido "saídas" infelizes, nomeadamente aquela em que – sucedendo a Fernando Nogueira no anúncio das decisões do Conselho de Ministros – tornou público que o aumento da pensões de reforma iria acabar de vez com "as pensões de miséria em Portugal" (!). Ora aí está como se consegue, em segundos, transformar uma medida positiva do Governo em objecto de chacota e até de indignação por parte daqueles que sabiam da "ginástica" a que eram obrigados para fazer o dinheiro chegar.

Chegado à liderança, Mendes fez da credibilidade a sua palavra-chave. Mais uma vez teve azar. Sem pôr em causa a sua honestidade ou idoneidade pessoal, a verdade é que decorridos mais de dois anos a sua credibilidade continua em deficit. Mais: teceu uma teia de conceitos e de princípios nos quais acabou enredado. Com arguidos para aqui e impolutos para ali, mais de metade do eleitorado do PSD em Lisboa, que votou, preferiu dar a sua confiança aos arguidos. Caramba, esta deve ter doído mesmo.

E Menezes?

Será Menezes a alternativa? O homem que, no Coliseu, acusou a candidatura de Durão Barroso de ser elitista, sulista e liberal, gerando a mais monumental vaia alguma vez ouvida em Congressos do PSD? Não faço futurologia e, portanto, não excluo nenhuma possibilidade, no entanto, mesmo que Luís Filipe Menezes chegue à liderança não lhe vai ser fácil conseguir unir o Partido em seu redor.

Haverá terceira via?

Para já, não sei. Agora que existe, disso não tenho a mais pequena dúvida, assim como tenho a certeza que o próximo primeiro-ministro do PSD irá ser alguém mais apostado em unir do que em fracturar. Ou seja, irá ser um líder, isto é, alguém que, respeitado por todos, irá estar acima de correntes e sensibilidades. Era bom é que avançasse já. Portugal merece uma liderança alternativa CREDÍVEL. E o PSD tem-na!




quinta-feira, 12 de julho de 2007

Preconceitos e “santos de pau carunchoso”

"Contigo em contradição

Pode estar um grande amigo,

Duvida mais dos que estão

Sempre de acordo contigo"

António Aleixo in Este livro que vos deixo


Há quem entenda que uma crítica é sempre destrutiva e que quem critica deve ser considerado inimigo. Há quem pense que tudo quanto de mal acontece é culpa dos outros. Há quem considere preferível a passividade perante as injustiças à existência de pessoas que as denunciem. Há quem prefira o culto das aparências à humildade da sua verdadeira condição. Há quem pense que mudando as palavras se transforma a realidade. Há quem acredite que para se ter sucesso basta parecer bem sucedido.

Nesta coluna já foram tecidas imensas críticas – alguns elogios também, mas reconheça-se que as primeiras foram em maior número – logo, o seu autor, à luz das teses enunciadas no primeiro parágrafo, só pode mesmo ser maldizente e, necessariamente, inimigo público a abater. Neste contexto, como é evidente, se alguma coisa correr mal, então o culpado está encontrado. De facto, não se devia ter escrito que o executivo usou e abusou da "pesada herança" para não aprovar as contas da autarquia, que ao fazer uma auditoria até Outubro de 2005 andava a procurar um "bode expiatório", que plagiou descaradamente a carta educativa do concelho e que a apresentou como "nova" ao Conselho Municipal da Educação desprezando o contributo deste, que os impostos e tarifas locais subiram (em alguns casos cerca de 78%), jamais se deveria ter denunciado o autismo daqueles que andaram a fazer de conta que estavam zangados com um jornal que dominam integralmente, também não se devia ter feito referência ao abate ilegal e imoral de árvores que constituíam parte integrante do nosso património urbanístico, foi incorrecto dizer que havia um "polvo" que corrompia a dignidade de pessoas sérias mas economicamente dependentes… ufa, já chega!

Afinal, aquilo que noutras circunstâncias poderia ser interpretado como um contributo cívico, aqui, para algumas pessoas, não passa de maledicência que de algum modo belisca a imagem que alguns gostariam de ver projectada. Daqui não se deve inferir que a autarquia está a fazer tudo mal. Apenas se deve inferir que não está a fazer tudo bem. A crítica, para pessoas com autoconfiança, fá-las serem melhores, porquanto constitui um incentivo às boas práticas e a maiores realizações. Só mesmo pessoas de outra índole é que vêem mal nisso.

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de página

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter