quarta-feira, 29 de julho de 2009

Histórico

Não, não estou a imitar o Sr. Presidente do Conselho.
Isto é mesmo histórico. A média da Euribor a três meses nestes primeiros 29 dias de Julho é de 0,938%. Se esta taxa continuar a cair como até aqui, aqueles que cujo período de revisão de taxa ocorra em Agosto, (tem por base Julho) irão pagar em Setembro uma prestação de empréstimo à habitação com base num indexante abaixo dos 1%.
Nunca tinha acontecido, nem se crê que dure por muito tempo, mas é de aproveitar enquanto durar.
Decisões correctas as daqueles que alteraram o indexante da euribor6 para a euribor3 quando as taxas começaram a cair.
Quando vos voltarem a falar que taxa FIXA é que é bom, recordem-se deste momento. A taxa fixa pode, de facto, até ser boa mas... nunca é má para os Bancos. Agora tirem as conclusões que quiserem.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

O Feitiço da Lua


No início desta semana celebrou-se o 40.º aniversário da chegada do homem à Lua. Os americanos e a generalidade do mundo ocidental rejubilaram de alegria porque, desta forma, pensaram ter conseguido assegurar importantíssimas reservas de tout-venant (tuvenã) para as estradas e caminhos desse mundo fora. Afinal, bem vistas as coisas, mesmo naquela época em que as contas se faziam com o lápis atrás da orelha, já se sabia que era mais barato continuar explorar as pedreiras da Terra… Mas isso que importava? O importante foi que os astronautas americanos ganharam a corrida aos cosmonautas russos depois de, durante boa parte do tempo, terem estado em desvantagem. Hoje é ponto assente que se a corrida à Lua foi usada como manobra de propaganda em tempos da guerra fria, não é menos verdade que, sem tal fútil justificação, a exploração científica do espaço não teria acontecido ou, no mínimo, teria acontecido com muito menos recursos e de uma forma assinaladamente mais lenta.




Pois é, a Lua tem este poder, este encanto, este fascínio. A ela se associam algumas realidades – como a evolução das marés – e ainda mais mitos, que incluem lobisomens, loucos lunáticos, assassinos em série e amantes apaixonados. Mas, enfim, realidade ou mito, que importa? O que conta verdadeiramente é que o feitiço da lua faz, de facto, as coisas acontecerem, mesmo que tais coisas não sejam exactamente as que se anunciaram, nem que as justificações dadas para estas correspondam às verdadeiras motivações que as originaram.




Por cá, temos o nosso presidente do concelho, perdão, do conselho (de ministros) de novo embalado com o feitiço da lua. Novas promessas aí estão para os próximos quatro anos sem que – utilizando a linguagem do cronista do Correio da Manhã, António Ribeiro Ferreira – "neste sítio pobre, deprimido, manhoso, cheio de larápios e cada vez mais mal frequentado" ainda tenham sido cumpridas as anteriores, as de há quatro anos atrás. Cá para mim acho um tanto confrangedor que se queira fazer as pessoas passarem por parvas novamente, voltando a prometer um "el dorado" de realizações fantásticas que ficam, invariavelmente, por realizar. Mas enfim, é a vida, se Sócrates e os socretinos não tiverem o que merecem nas próximas eleições, então é porque o povo português não merece mesmo mais.




Paralelamente, relativamente ao processo autárquico em curso, por esse país fora voltam a ouvir-se novas promessas, que agora é que é, que até aqui tivemos de semear e que agora, no próximo mandato, é vai ser colher à fartazana. Só vos digo, caiam nessa caiam… Porque cargas de água é que aqueles que vos prometeram lua cheia (e vos mostraram o lado oculto da mesma) é que agora vão fazer aquilo que não fizeram? Até mesmo o feitiço da lua tem limites!




Boas férias!



Publicado na edição do Brados do Alentejo de 24 de Julho de 2009

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Autárquicas 2009











quarta-feira, 22 de julho de 2009

Mais um estremocense em destaque



Hesito sempre em classificar alguém de ilustre, em especial se esse alguém está tão vivo como os seus contemporâneos que lhe conhecem os, hipotéticos, defeitos. No entanto, o Estremocense Vítor Brinquete Bento é, pelo menos, uma personalidade de destaque, que mais não seja por chegar a um cargo que o comum dos mortais não alcança: Conselheiro de Estado.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Para descontrair...

Há sempre quem aprecie uma boa dose de loucura...


segunda-feira, 13 de julho de 2009

Boas notícias - más notícias

A Euribor a 3 meses registou hoje uma marca histórica: caiu abaixo de 1%. Destaco a Euribor3 porque este já é, para muita gente, o indexante dos empréstimos à habitação.

Por outro lado, o petróleo parece ter regressado à tendência de queda da sua cotação, perdendo cerca de 1/7 do seu valor no espaço de um mês.

A questão que se coloca é a seguinte: estas são boas ou más notícias? Eu diria que para os portugueses, e no imediato, são boas notícias. Algum desafogo financeiro proporcionado pela redução da prestação da casa poderá permitir canalizar tais recursos para outros bens dos quais se têm privado até aqui. Do mesmo modo, se os combustíveis voltarem a descer, temos aqui uma segunda ajuda para alívio do sufoco.

Numa óptica de longo prazo, porém, já não se podem considerar estas notícias como positivas. De facto, as cotações baixas do dinheiro e do petróleo apenas querem significar que a crise ainda poderá estar para durar.

Mas, enfim, como já estamos tão habituados a viver em crise, continuo a achar estas notícias como... boas notícias.

Na infância dos pais dos cotas

Lili Marleen
Esta é, sem dúvida, a canção mais popular da 2.ª Guerra Mundial.
Era o hino não oficial de todos os soldados de Infantaria de ambos os lados do conflito.
A poesia foi escrita em 1915 pelo soldado alemão Hans Leip (1893-1983),
que lhe deu o título combinando o nome da sua namorada, Lili, com o apelido de uma jovem enfermeira com quem simpatizou.
A poesia chamou a atenção de Norbert Schultze, que a musicou em 1938.

Após a ocupação alemã da Jugoslávia, o diretor de uma Rádio alemã sediada em Belgrado, o jovem tenente Karl-Heinz Reintgen começou a transmiti-la de novo, com grande agrado de Rommel.
Tornou-se a canção oficial da estação, que a transmitia diariamente às 21.55, antes do fim da emissão.
Lili Marlene era ouvida também pelos Aliados.
Depressa se tornou a canção preferida dos soldados de ambos os lados.

Marlene Dietrich cantou “The Girl under the Lantern” em muitos espectáculos, na Rádio e “em três longos anos, na África do Norte, Sicília, Itália, no Alasca, Groenlândia, Islândia e Inglaterra”,
como ela gostava de dizer mais tarde.
Diz-se que a canção foi traduzida em 48 línguas, incluindo o francês, o russo, o italiano e o hebreu.



Tradução
(Português)
Em frente ao quartel, diante do portão
Um poste com um velho lampião
Está ele ainda lá?
Queremos lá nos reencontrar
Queremos junto à sua luz ficar
Como outrora, Lili Marlene?

Nossas duas sombras pareciam uma só
E todos percebiam o amor que nós tínhamos
Toda a gente ficava a contemplar
Quando estávamos junto ao lampião
Outrora, Lili Marlene?
Gritou o sentinela para avisar
Tá na hora! um atraso, três dias vai te custar
Já vou, já vou companheiro!
E dissemos adeus, com que gosto eu iria
Com você, Lili Marlene?

O lampião reconhece teus passos
Teu belo caminhar
Ele ilumina tudo na noite
Mas há tempos se esqueceu de mim
E se algo me acontecer...,
Quem vai estar junto ao lampião,
Com você Lili Marlene?

Do alto céu; do fundo da terra,
Surge como em sonho teu rosto amado
Envolto na névoa da noite...
Será que voltarei para nosso lampião...
Como outrora, Lili Marlene?

Texto de Maria Caruso Cunha (Brasil)

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Olha que novidade



A notícia do dia da TSF é de que os aderentes ao programa "Novas Oportunidades" não estão a colher benefícios efectivos no mercado de trabalho. Surpreendente? Só se for por ser notícia...

Filha de colegas de escola

Li a notícia no blogue do meu amigo Luís Russo e... pode até parecer meio tolo da minha parte, mas fiquei orgulhoso. Afinal trata-se de uma estremocense que consegue um lugar de destaque e, ainda por cima, filha de dois colegas e amigos.
Espero, todavia, que este terceiro lugar na lista da CDU no círculo de Lisboa não comprometa o já habitual 6.º lugar de uma outra estremocense, Fátima Messias, também minha colega de escola (e da mesma turma da mãe da Rita).
Pessoalmente não conheço sequer muito bem a Rita - creio que apenas nos cumprimentámos... - mas estou confiante que o material genético de que é herdeira lhe augura, seguramente, muita combatividade.
Apesar de politicamente estarmos em bancadas distintas, não tenho qualquer tipo de pejo em declarar que Estremoz ficará a ganhar, já que é elevada a probabilidade da Rita vir a ser eleita deputada.
Parabéns Rita por seres merecedora da escolha do teu partido.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

A força da natureza...


Eis os efeitos das forças da natureza: se chover, mesmo que pouco, aqui a água não passa; se chover mais, a água não passa; se vier uma enxurrada, a água não só não passa como dá origem a inundações provavelmente evitáveis.
A foto foi tirada no dia 1 de Julho de 2009. Hoje voltei a passar pelo local e está... na mesma.

Histórias de Verão

Com a chegada do calor a minha disposição para escrever diminui na razão inversa da minha apetência pela leitura. Assim, desta vez – afinal, não sei se aquilo que vou fazer hoje será moda que pegue – vou preferir contar histórias escritas por outros.

Os dois sapos

«Dois sapos viviam na mesma lagoa. Quando ela secou com o calor do Verão, saíram em busca de outro lar. No caminho, passaram por um poço profundo e cheio de água. Ao vê-lo, um dos sapos disse para o outro: "Vamos descer e fazer a nossa casa neste poço; teremos aqui abrigo e alimento". O outro, mais prudente respondeu: "Mas, e se faltar a água, como sairemos de um lugar tão fundo?" (Moral da história:) Não faça nada sem pensar nas consequências!»

Fábulas de Esopo, Séc. VI AC

O Rei, o peregrino e o cirurgião

«Em épocas remotas, um rei passeava acompanhado de alguns nobres quando um peregrino muçulmano gritou: "Um bom conselho em troca de 100 dinares". O rei parou e disse: "Que conselho é esse por 100 dinares?". "Senhor", respondeu o peregrino, "entregue-me a quantia e eu direi imediatamente". O rei atendeu, esperando ouvir algo extraordinário. O muçulmano disse-lhe: "Este é o meu conselho: Não comece a fazer nada antes de pensar em como isso vai terminar".


Os nobres e os demais presentes acharam graça, achando que o peregrino tinha feito bem em pedir o seu pagamento adiantado. Mas o rei disse: "Não há motivo para rir do conselho do peregrino. Ninguém ignora o facto de que devemos pensar bem antes de fazer alguma coisa. O problema é que nem sempre o fazemos e, por vezes, sofremos as consequências. Sabem que mais? Gostei do conselho do muçulmano".


O rei decidido a não se esquecer jamais do conselho, mandou gravá-lo em letras douradas nas paredes do seu palácio e também na sua salva de prata. Algum tempo depois um nobre conspirador subornou o cirurgião da corte propondo-lhe honrarias se usasse um bisturi envenenado quando fizesse a sangria ao rei. Quando trouxeram a salva de prata para recolher o sangue do rei, o cirurgião leu a mensagem que nela estava gravada: "Não comece a fazer nada antes de pensar em como isso vai terminar". Foi então que o cirurgião percebeu que se o conspirador se tornasse rei ser-lhe-ia tão fácil mandar matá-lo como cumprir a sua parte da promessa. Reflectindo sobre o assunto percebeu que a primeira hipótese era mesmo a mais provável já que ele, alinhando na tramóia, ficaria na posse de um segredo incómodo para o novo senhor. O rei, vendo o cirurgião tremer, quis saber a razão de tal nervosismo, nada habitual nele. Foi então que o médico da corte confessou a verdade no momento. Preso o conspirador, o rei mandou chamar aqueles que tinham troçado do conselho do peregrino e disse: "Ainda se riem do conselho do peregrino?"»


A Caravana dos Sonhos, de Idries Shah, 1968.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Presos filipinos fazem tributo a Michael Jackson!

Não soube desta na data em que ocorreu. Só hoje soube. Penso que merece divulgação.

terça-feira, 7 de julho de 2009

A mocidade dos cotas III

Supertramp - The Logical Song, composed and sung by Roger Hodgson

domingo, 5 de julho de 2009

ANDRE RIEU - the light cavalry (cavalaria ligeira)

Carta ao Director

A propósito de duas anteriores entradas relacionadas com este tema, reproduzo aqui a carta dirigi ao Director de um jornal local.

Exmo. Senhor Director do Jornal Ecos


Na entrevista publicada nas páginas centrais da última edição do jornal que V. Exa. dirige fui visado, de uma forma torpe e ignóbil, pelo entrevistado.


Em circunstâncias normais, seria de esperar – de acordo com os cânones de um jornalismo sério e imparcial – que à vítima de ataque fosse solicitada uma reacção em relação às acusações que lhe foram dirigidas. Tal não aconteceu, apesar de V. Exa. saber que eu considerei aquela entrevista um ataque especificamente focado em atingir o meu bom nome, no momento em que o questionei sobre as razões da mesma não estar assinada e, nesse contexto, sobre quem tinha sido então o "profissional" que tinha dirigido aquele "trabalho".


Tendo V. Exa., primeiro, ficado de averiguar tal autoria e, depois, me comunicado que tal "autoria" era da responsabilidade "da redacção", ficou evidente que – não tendo sido nenhum dos habituais colaboradores nem o director a fazê-la –a entrevista tinha propósitos bem definidos e de que o jornal que dirige deu cobertura a tais propósitos.


Quanto às afirmações do entrevistado em relação à minha pessoa apenas tenho a comunicar que elas serão objecto de tratamento no foro judicial. Aqui, e publicamente, é assunto encerrado.


Nos termos da lei, solicito que esta minha nota seja publicada no mesmo local e com o mesmo destaque da peça jornalística que lhe deu origem. Do mesmo modo, espero igualmente que V. Exa. não viole o n.º 6 do art.º 26.º da Lei de Imprensa.


Curiosamente, ou talvez sem rigorosamente nada de curioso, o Sr. Director acabou por me responder por meias palavras sob a epígrafe "Físico-Química". Falou de reacções alcalinas ou básicas (Química), escusando-se a falar de Física (a menos que estivesse a considerar a queda abrupta do seu prestígio pessoal e dos "profissionais" anónimos que o acompanham).


Disse o senhor que "mais importante do que saber quem faz as perguntas numa entrevista, é saber interpretar as respostas…", acrescentando que a função do jornal é "tentar apurar a verdade dos factos" e que aos "jornalistas e às redacções compete-lhes apenas perguntar…"


O Sr. Director esqueceu-se que para apurar a verdade devia, no mínimo, ouvir ambas as partes, para permitir ao público leitor "interpretar as respostas". Mas não, só interessava acusar uma das partes… com intenções e autores óbvios. Ficou tudo esclarecido.


O que me indigna no meio disto tudo é o meu advogado dizer-me que não tenho "matéria" para processar quem ficou à porta da quinta a segurar o saco; que só posso acusar a pessoa que leu o guião. Nestas como noutras coisas, "quem se lixa é o mexilhão"…

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Condenado…

Notícia de última hora… de um dia destes… de uma semana que já passou… dá conta que o senhor Presidente da Câmara de Vila Viçosa foi vítima de uma descarga de bílis, que lhe provocou imenso azedume e alguma rabugice. Lá como cá, como em todo o lado, há sempre pessoas que reagem assim quando as coisas não lhes correm de feição. O PSD de Estremoz formula votos no sentido do rápido restabelecimento do referido senhor.


Publicado na edição de 03Jul2009, na secção "Mesa Redonda", do Jornal Ecos.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

A mocidade dos cotas II

Por acaso os Paper Lace até eram britânicos, coisa que nem me passava pela cabeça quando os ouvi pela primeira vez em 1974 a falarem de Chicago.

A história contada é de ficção mas inspirada no famoso massacre de S. Valentim executado pelos capangas de Alphonse Capone.

Para mim, a atracção por esta música começou logo na sirene...

Para quem quiser recordar e acompanhar a música, a letra está logo a seguir ao vídeo.

Se quiserem ver um outro vídeo mais documentado e com a letra em legenda, sigam então este atalho: http://www.youtube.com/watch?v=kwwaGXcZ6Wo



Daddy was a cop
On the East Side of Chicago
Back in the USA
Back in the bad old days
In the heat of a summer night
In the land of the dollar bill
When the town of Chicago died
And they talk about it still
When a man named Al Capone
Tried to make that town his own
And he called his gang to war
Against the forces of the law
I heard my momma cry
I heard her pray the night Chicago died
Brother, what a night it really was
Brother, what a fight it really was
Glory be
I heard my momma cry
I heard her pray the night Chicago died
Brother, what a night the people saw
Brother, what a fight the people saw
Yes, indeed
And the sound of the battle rang
Through the streets of the old East Side
'Til the last of the hoodlum gang
Had surrendered up or died
There was shouting in the street
And the sound of running feet
And I asked someone who said
"'Bout a hundred cops are dead"
I heard my momma cry
I heard her pray the night Chicago died
Brother, what a night it really was
Brother, what a fight it really was
Glory be
I heard my momma cry
I heard her pray the night Chicago died
Brother, what a night the people saw
Brother, what a fight the people saw
Yes, indeed
Then there was no sound at all
But the clock upon the wall
Then the door burst open wide
And my daddy stepped inside
And he kissed my momma's face
And he brushed her tears away
The night Chicago died
Na-na na, na-na-na, na-na-na-na-na
The night Chicago died
Brother what a night the people saw
Brother what a fight the people saw
Yes indeedThe night Chicago died
Na-na na, na-na-na, na-na-na-na-na
The night Chicago died
Brother what a night it really was
Brother what a fight it really was
Glory beThe night Chicago died
Na-na na, na-na-na, na-na-na-na-na
The night Chicago died
Brother what a night the people saw
Brother what a fight the people saw
Yes indeed

A mocidade dos cotas

Sob este título irei deixar aqui algumas memórias que nos remetem para os últimos decénios do séc. XX.
A estrear os Deep Purple e Smoke on the water...

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de página

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter