quinta-feira, 9 de julho de 2009

Histórias de Verão

Com a chegada do calor a minha disposição para escrever diminui na razão inversa da minha apetência pela leitura. Assim, desta vez – afinal, não sei se aquilo que vou fazer hoje será moda que pegue – vou preferir contar histórias escritas por outros.

Os dois sapos

«Dois sapos viviam na mesma lagoa. Quando ela secou com o calor do Verão, saíram em busca de outro lar. No caminho, passaram por um poço profundo e cheio de água. Ao vê-lo, um dos sapos disse para o outro: "Vamos descer e fazer a nossa casa neste poço; teremos aqui abrigo e alimento". O outro, mais prudente respondeu: "Mas, e se faltar a água, como sairemos de um lugar tão fundo?" (Moral da história:) Não faça nada sem pensar nas consequências!»

Fábulas de Esopo, Séc. VI AC

O Rei, o peregrino e o cirurgião

«Em épocas remotas, um rei passeava acompanhado de alguns nobres quando um peregrino muçulmano gritou: "Um bom conselho em troca de 100 dinares". O rei parou e disse: "Que conselho é esse por 100 dinares?". "Senhor", respondeu o peregrino, "entregue-me a quantia e eu direi imediatamente". O rei atendeu, esperando ouvir algo extraordinário. O muçulmano disse-lhe: "Este é o meu conselho: Não comece a fazer nada antes de pensar em como isso vai terminar".


Os nobres e os demais presentes acharam graça, achando que o peregrino tinha feito bem em pedir o seu pagamento adiantado. Mas o rei disse: "Não há motivo para rir do conselho do peregrino. Ninguém ignora o facto de que devemos pensar bem antes de fazer alguma coisa. O problema é que nem sempre o fazemos e, por vezes, sofremos as consequências. Sabem que mais? Gostei do conselho do muçulmano".


O rei decidido a não se esquecer jamais do conselho, mandou gravá-lo em letras douradas nas paredes do seu palácio e também na sua salva de prata. Algum tempo depois um nobre conspirador subornou o cirurgião da corte propondo-lhe honrarias se usasse um bisturi envenenado quando fizesse a sangria ao rei. Quando trouxeram a salva de prata para recolher o sangue do rei, o cirurgião leu a mensagem que nela estava gravada: "Não comece a fazer nada antes de pensar em como isso vai terminar". Foi então que o cirurgião percebeu que se o conspirador se tornasse rei ser-lhe-ia tão fácil mandar matá-lo como cumprir a sua parte da promessa. Reflectindo sobre o assunto percebeu que a primeira hipótese era mesmo a mais provável já que ele, alinhando na tramóia, ficaria na posse de um segredo incómodo para o novo senhor. O rei, vendo o cirurgião tremer, quis saber a razão de tal nervosismo, nada habitual nele. Foi então que o médico da corte confessou a verdade no momento. Preso o conspirador, o rei mandou chamar aqueles que tinham troçado do conselho do peregrino e disse: "Ainda se riem do conselho do peregrino?"»


A Caravana dos Sonhos, de Idries Shah, 1968.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de página

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter