quarta-feira, 28 de julho de 2010

Reunião CM Estremoz 28Jul2010

Pela primeira vez, uma reunião da Câmara Municipal de Estremoz foi transmitida em directo... (clique na hiperligação para ler o artigo).

Reunião CM Estremoz 28Jul2010

terça-feira, 27 de julho de 2010

USTREAM, My Shows: information and control panel

Não sei se vai funcionar... mas vou tentar transmitir em directo (a partir do meu portátil) o vídeo da Reunião de Câmara

USTREAM, My Shows: information and control panel

quinta-feira, 22 de julho de 2010

(Des)Acordo Ortográfico


São cada vez em maior número os órgãos da imprensa escrita que adoptaram (eles escreveriam "adotaram") uma forma de escrever que tem menos a ver com a língua que falamos do que devia. O país, como aliás é seu hábito, está mais uma vez dividido entre os acham bem avançar para a implementação do, inadequadamente denominado, Acordo Ortográfico; e aqueles que até ameaçam deixar de comprar os jornais que o adoptem (adotem).
No primeiro grupo incluem-se os idiotas do costume que pensam que não implementar o acordo é coisa de velhos do Restelo, ou seja, daqueles que estão sempre contra qualquer mudança. Ainda neste primeiro grupo está também incluído outro subgrupo, seguramente não menos idiota que o anterior, que pensa que o acordo ortográfico vai alargar o nosso mercado linguístico de 10 para quase 300 milhões de falantes do português (como se ele alguma vez tivesse estado fechado ou se o acordo viesse alterar alguma coisa neste domínio). Finalmente, existe ainda um outro subgrupo tão idiota como os anteriores que tem uma particularidade assaz interessante: acha-se espertinho, pensa que pôs um ovo em pé ao descobrir a fórmula mágica da dupla grafia (como se não fosse mais sensato reconhecer à partida que o português tem variantes regionais e, como tal, que não havia qualquer necessidade de impor a ninguém fórmulas ortográficas que em nada vêm alterar esta realidade).
Como é evidente, do lado dos anti-Acordo também existem idiotas (para além de parvalhões e ignorantes). Para eles a língua portuguesa (que, aliás, a maioria domina mal) era perfeita. Isto apesar de "sede" tanto poder significar carência de água (sê-de) como lugar onde se reúne a direcção (sé-de); de "cor" tanto poder ser a forma como se declamam versos (cór) como a coloração dos olhos (côr); de as palavras terminadas em "oz" tanto poderem ser lidas com o "o" aberto (noz, foz, etc.) como com o "o" fechado (como Estremoz ou arroz). Enfim, fico por aqui, que diabo de lógica tem esta língua que não tem regras claramente definidas de forma (esta também pode ser lida "fór-ma" ou "fôr-ma") a impedir confusões? Depois admiram-se que os nossos miúdos tenham dificuldades em Português ou que os estrangeiros se queixem que este é dos idiomas mais difíceis de aprender. Como podia ser de outra forma? Esta língua apresenta falhas gritantes na sua lógica construtiva, tem demasiadas zonas de sombra para além do aceitável.
Por outro lado, o acordo ortográfico tem uma expressão reduzida (se bem que importante e correspondente a uma cedência aos brasileiros) no nosso quotidiano. Este artigo tem cerca de 500 palavras e apenas duas são alteradas pelo acordo (os casos mais gritantes antes assinalados vão continuar com a mesma a indefinição que já tinham até aqui). Valia a pena tanta confusão? Não! (De qualquer modo, sou contra a supressão das consoantes mudas sempre que elas abram as vogais.)
Nota:
As imagens foram colhidas nos sítios para os quais apontam as respectivas hiperligações;
Publicado no na edição de 22Jul2010 do Jornal Brados do Alentejo;
Também publicado em EstremozNet.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Haja decência (II)


Sr. Dr. Luís Assis: prometo-lhe que vou ser breve e que esta vai ser a última vez que vou ocupar o meu tempo a responder-lhe.
(Para ler o resto clique aqui).

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Haja decência!



Se bem que o Dr. Luís Assis já nos tenha habituado ao seu estilo maledicente e a disparar em todas as direcções – para onde está virado e sem alvo definido – entendi por bem prestar esclarecimento das acusações que me dirigiu.

O texto em questão foi publicado no jornal Brados do Alentejo, na edição de 08Jul2010, e diz, entre outras coisas, que a posição assumida pelo vereador do PSD na Câmara Municipal é incoerente e que contradiz a posição oficial do próprio partido. Enfim, se o Dr. Luís Assis não se tivesse precipitado e tivesse lido o esclarecimento que publiquei em 25Jun2010 e, bem assim, a nota à imprensa da responsabilidade da direcção local do PSD, talvez os factos que contesta já não ultrapassassem o alcance do discernimento que demonstrou.




Face ao que antecede, esclareço:




(para continuar a ler clique aqui)





Nota: a foto foi colhida no sítio para o qual aponta a respectiva hiperligação.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Documentação da Reunião CM Estremoz 16Jul2010

Documentação da Reunião CM Estremoz 16Jul2010

(Clique na hiperligação)

terça-feira, 13 de julho de 2010

Ordem de Trabalhos da Reunião CME de 14Jul2010



Ordem de Trabalhos da Reunião CME de 14Jul2010 (Clique na hiperligação ou na imagem e, neste último caso, ajuste o tamanho da mesma usando Ctrl + ou Ctrl -)



domingo, 11 de julho de 2010

Eis as razões pelas quais prefiro que a Holanda ganhe

Se há coisa que me irrita nos espanhóis são os tiques imperiais que os caracterizam. Até acho bem que os vizinhos que não escolhemos tenham auto-estima... porém, os espanhóis vão claramente para além disso. Como diz a anedota: em cada 10 espanhóis, 11 sentem-se superiores aos outros. Já nem disfarçam nada, acham-se de tal modo superiores que encontrar um espanhol humilde é tão difícil como ver as pernas de uma freira (a Ursula Andress não conta porque essa era actriz). Voltando às anedotas: o melhor negócio do mundo é comprar um espanhol pelo que ele vale e vendê-lo pelo que ele pensa que vale.
Agora imaginem se eles hoje chegam a campeões do mundo de futebol... se agora já é difícil gramar tanta presunção imaginem depois.
É por isso que o meu coração hoje ainda está mais laranja. Se a Holanda ganhar o jogo, o polvo dos palpites pode acabar no meio de uma salada... não que eu queira mal ao pobre bicho mas estou farto de superstições.
Se a Holanda fosse campeã nem sabem o bem que isso nos fazia a todos... incluindo, ou até, sobretudo, aos espanhóis.

A história do homem que não queria ser Engenheiro Civil

A história até já é antiga, porém, só hoje soube dela através de uma mensagem de correio electrónico. Ao que parece foi publicada "em fascículos" no blogue "Incontinentes verbais" para aí em 2007. Acho porém que se lerem a história toda de uma vez vai ser melhor (cliquem nas imagens para as verem ampliadas, ajustando a gosto com Ctrl + ou Ctrl -)


Did you know ? Human Capital Edition - 2009

Did You Know? 3.0 (Official Video) - 2009 Edition

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Cem temas


Escrever uma crónica num jornal é como que uma partilha de um estado de alma com aqueles que, perante a ausência de melhores alternativas para passar o tempo, acabam por ler aquilo que escrevo. Os temas são, em geral, os do nosso quotidiano… se bem que, por vezes, me apeteça deliberadamente fugir às questões da actualidade. Surgem com uma notícia, com uma leitura, com o visionamento de um filme ou com uma mensagem de correio electrónico recebida. Por exemplo, esta semana hesitei entre três temas completamente diferentes e, constato agora, vou acabar a falar de outros completamente diferentes. Queria falar sobre a atitude dos adeptos argentinos que receberam com carinho os "heróis" da sua selecção de futebol, em claro contraste com aquele estupor que, de megafone em punho, se foi pôr a ofender o Carlos Queiroz à chegada ao aeroporto. Por outro lado, ando já há algum tempo a querer partilhar com os estremocenses mais antigos algumas memórias gastronómicas que me ficaram de outros tempos passados no Júlio Zé Gato, na Leitaria dos Amigos, na Ginjinha ou na Flor do Jardim. Finalmente, também tenho andado com vontade de falar desse tema verdadeiramente universal do "Made in China" e das consequências a médio prazo para o mundo ocidental.
Enfim, um destes três temas haveria de acabar por sair hoje. Mas isso não vai acontecer… quando ia para começar a escrever reparei que esta é a crónica n.º 100 que produzo para o Brados e não resisti à tentação de reler uma boa parte delas. Fiquei tão cansado que fiquei literalmente cem, perdão, sem temas.
Na primeira crónica procurei explicar o que eu pensava que iria ser o ad valorem e a razão de ser desta expressão latina que lhe dá o título genérico. Nesse mesmo número falei também das fissuras no Gadanha e da falta de água que nos afligia. Terminei a falar do "eduquês", aquela praga dos pedagogos de trazer por casa que fizeram do ensino aquilo que ele é actualmente. No número seguinte falei sobre aquela situação deveras insólita de a Câmara ter mandado para a Assembleia Municipal as contas de 2005 sem as aprovar… com 7 abstenções, uma originalidade de que nem no Entroncamento alguma vez se lembrariam. No número três – tenham calma, não vou conseguir falar aqui sobre os 100 ad valorem – fiz a minha primeira experiência literária num género que foge claramente ao cariz técnico da minha prosa profissional, escrevendo uma chacota a que dei o nome de "Mar à Vista". (Quem me haveria de dizer que o velho comandante da nau catrineta, que na altura se tinha reformado com 1400 pipas de rum caribenho, haveria de voltar ao leme para a afundar de vez?)
Enfim, depois voltei a escrever mais 96 vezes, até hoje que é a centésima e onde, mais uma vez, acabei por fugir ao tema que tinha inicialmente previsto. Terá sido tão bom para vocês como foi para mim? Duvido! Mas lá que me tenho divertido, disso não tenho dúvidas.
Notas:
As imagens foram colhidas nos sítios para os quais apontam as respectivas hiperligações;
Publicado na edição de 08Jul2010 no Jornal Brados do Alentejo;
Também publicado em EstremozNet.

PSD Estremoz emite nota à comunicação social

PSD Estremoz emite nota à comunicação social

quarta-feira, 7 de julho de 2010

ad valorem 2

ad valorem 2

domingo, 4 de julho de 2010

Aniversário da Declaração da Independência dos Estados Unidos

(Clique no título para ler a tradução do texto assinado há 234 anos atrás)

sábado, 3 de julho de 2010

«La Russie et ses Coupoles»

sexta-feira, 2 de julho de 2010

O mais famoso excerto de "A queda" (Actualização)



Já quase toda a gente viu este excerto do filme "A queda". Porém, também quase todos o viram com legendas parodiadas, ou a falar de vuvuzelas, da Meo e da Zon, ou a falar da Ministra Milú Rodrigues, ou ainda de qualquer outra coisa. Seja qual for o motivo da chacota, tem sempre piada, ainda que tal piada esteja longe de ser original.

Começou por ser uma promoção de marketing do iPad 3G, à qual a Constantin Film AG reagiu banindo tal vídeo do Youtube (aliás o que tem continuado a fazer com todas as outras paródias que lhe sucederam).

Se a Constantin Film não banir também este vídeo, quem não conhece ficará agora com a possibilidade de saber aquilo que alegadamente estaria Hitler efectivamente a dizer nesta soberba interpretação de Bruno Ganz.

Nota: Como certamente já perceberam a Constantin Film já bloqueou o vídeo, logo o meu que era o mais inocente de todos e dos poucos que respeitava o original. Já não se pode ser bom...

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de página

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter