quinta-feira, 22 de julho de 2010

(Des)Acordo Ortográfico


São cada vez em maior número os órgãos da imprensa escrita que adoptaram (eles escreveriam "adotaram") uma forma de escrever que tem menos a ver com a língua que falamos do que devia. O país, como aliás é seu hábito, está mais uma vez dividido entre os acham bem avançar para a implementação do, inadequadamente denominado, Acordo Ortográfico; e aqueles que até ameaçam deixar de comprar os jornais que o adoptem (adotem).
No primeiro grupo incluem-se os idiotas do costume que pensam que não implementar o acordo é coisa de velhos do Restelo, ou seja, daqueles que estão sempre contra qualquer mudança. Ainda neste primeiro grupo está também incluído outro subgrupo, seguramente não menos idiota que o anterior, que pensa que o acordo ortográfico vai alargar o nosso mercado linguístico de 10 para quase 300 milhões de falantes do português (como se ele alguma vez tivesse estado fechado ou se o acordo viesse alterar alguma coisa neste domínio). Finalmente, existe ainda um outro subgrupo tão idiota como os anteriores que tem uma particularidade assaz interessante: acha-se espertinho, pensa que pôs um ovo em pé ao descobrir a fórmula mágica da dupla grafia (como se não fosse mais sensato reconhecer à partida que o português tem variantes regionais e, como tal, que não havia qualquer necessidade de impor a ninguém fórmulas ortográficas que em nada vêm alterar esta realidade).
Como é evidente, do lado dos anti-Acordo também existem idiotas (para além de parvalhões e ignorantes). Para eles a língua portuguesa (que, aliás, a maioria domina mal) era perfeita. Isto apesar de "sede" tanto poder significar carência de água (sê-de) como lugar onde se reúne a direcção (sé-de); de "cor" tanto poder ser a forma como se declamam versos (cór) como a coloração dos olhos (côr); de as palavras terminadas em "oz" tanto poderem ser lidas com o "o" aberto (noz, foz, etc.) como com o "o" fechado (como Estremoz ou arroz). Enfim, fico por aqui, que diabo de lógica tem esta língua que não tem regras claramente definidas de forma (esta também pode ser lida "fór-ma" ou "fôr-ma") a impedir confusões? Depois admiram-se que os nossos miúdos tenham dificuldades em Português ou que os estrangeiros se queixem que este é dos idiomas mais difíceis de aprender. Como podia ser de outra forma? Esta língua apresenta falhas gritantes na sua lógica construtiva, tem demasiadas zonas de sombra para além do aceitável.
Por outro lado, o acordo ortográfico tem uma expressão reduzida (se bem que importante e correspondente a uma cedência aos brasileiros) no nosso quotidiano. Este artigo tem cerca de 500 palavras e apenas duas são alteradas pelo acordo (os casos mais gritantes antes assinalados vão continuar com a mesma a indefinição que já tinham até aqui). Valia a pena tanta confusão? Não! (De qualquer modo, sou contra a supressão das consoantes mudas sempre que elas abram as vogais.)
Nota:
As imagens foram colhidas nos sítios para os quais apontam as respectivas hiperligações;
Publicado no na edição de 22Jul2010 do Jornal Brados do Alentejo;
Também publicado em EstremozNet.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de página

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter