quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Contradições

Vamos lá a um "suponhamos". Suponhamos que um pai ou uma mãe contraria o instinto natural de um filho, ainda criança, de comer em excesso doces ou outras guloseimas que, a prazo, sejam consideradas potencialmente perigosas para a sua saúde. Suponhamos agora que o outro progenitor – o pai ou a mãe, agora para o caso não interessa – não liga pevide às "esquisitices" do cônjuge e que, por regra, lhe faz todas as vontadinhas. Parece evidente que aos olhos da criança, pelo menos neste capítulo, o ascendente que dá resposta pronta aos seus anseios goza da sua preferência, enquanto o outro passa por "mau da fita". Certo?


Ok. Imagine agora uma localidade brasileira chamada Angra dos Reis. Imagine também o corredor da Prefeitura (Câmara Municipal lá do sítio) cheio de promotores imobiliários a quererem construir no morro sobranceiro à Praia do Bananal. Finalmente, imagine que o Prefeito (o Presidente da Câmara lá do sítio) é, como se diz por cá, um gajo porreiro. Conforme disse e volto a sublinhar agora, aquilo que afirmei atrás é só imaginação, na medida em que não faço a mais pequena ideia se a construção existente no morro onde ocorreu o deslizamento de terras era clandestina (resultado da permissividade do município) ou se era licenciada (resultante, portanto, do facilitismo autárquico). O que sei – aliás, agora que o cheiro a morte está impregnado no local, já todos sabem – é que aquelas construções jamais podiam existir naquele local.


Bom, onde é que esta conversa nos leva? Leva-nos à conclusão que a democracia também tem aspectos perversos. São frequentes os casos em que os "porreiros" ganham as eleições aos que se rebelam contra o porreirismo malévolo. Devem então os eleitores ser tratados como aquelas crianças que só querem comer o que lhes faz mal? Jamais! A minha experiência pessoal ensinou-me que, assim o queiram, todos podem aprender. Para alguns pode levar mais tempo, mas que lá que aprendem, isso aprendem. Digo mais: quando não aprendem a bem, aprendem a mal, com o tempo e com os desenganos da vida. Portanto, a minha fé na Democracia é inabalável. (Neste momento, em Angra dos Reis, já todos devem ter aprendido que o porreirismo tem consequências).

Por cá andamos mais uma vez às voltas com as contradições de alguns políticos. Todos se dizem democratas mas, na hora da verdade, chega-se à conclusão que há quem não vá à bola com petições, plebiscitos ou referendos. O curioso é que alguns dos opositores eram, até há bem pouco tempo, defensores da democracia directa exercida através de assembleias populares (daquelas de voto de braço no ar). Porque será que não querem referendos (a forma mais legitimada de democracia directa)? Será porque o voto secreto nos referendos inibe a coacção pessoal exercida nos plenários? Olha-me estes democratas!



Publicado na edição do Brados do Alentejo de 07Jan2010


Nota: Publiquei dois posts cujos conteúdos estão intimamente relacionados com os de hoje. Foram eles: Democracia Perversa e Democracia representativa.



As imagens foram colhidas nos locais para os quais apontam as respectivas hiperligações.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de página

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter