quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Saturnália

A Saturnália representava para os romanos um período de celebrações em honra de Saturno – Deus da Agricultura – período esse coincidente com o solstício de Inverno. Depois da dormência vegetativa do Outono as sementes começavam a germinar e recuperava-se a esperança de melhores dias com o início do novo ano. Perante a expectativa da recuperação da abundância de alimentos, esses eram, geralmente, momentos de paz – as campanhas militares chegavam a ser interrompidas – em que se trocavam oferendas adornadas com cores garridas; de descanso – os escravos chegavam a ser dispensados do exercício das suas actividades –; e de banquetes bem regados, os quais – sem controlo de alcoolemia – acabavam não raras vezes em orgias.

Este antecedente pagão do Natal era, tal como este, caracterizado por uma renovação de votos de melhores dias. A grande diferença introduzida pelo Cristianismo nestas celebrações foi, digamos assim, o controlo dos excessos e a introspecção espiritual. O Natal é igualmente celebrado com alegria mas… de forma bem mais comedida.

Esta introdução justifica-se porque este Natal de 2009 parece assemelhar-se em alguns aspectos à Saturnália Romana. Vejam só: num momento de desemprego, de crise generalizada, de ausência de expectativas promissoras em relação a 2010, qual é então a prendinha no sapatinho que o Governo e os Socialistas reservaram para alguns portugueses? Exactamente, esse mesmo, o casamento gay. O Presidente da República diz que há coisas que o preocupam mais – ideia, aliás, que parece ser partilhada pela maioria das pessoas – e qual foi a reacção dos proponentes? Essa mesma: vá de fazer birrinha. 'Tadinhos!

Eu sou daqueles que nada tenho a opor a que os homossexuais deste país juntem os trapinhos e partilhem cama, pucarinho e o que mais queiram. Admito inclusivamente que aqueles que fazem vida em comum devem ver reconhecidos alguns direitos que actualmente lhe são negados, nomeadamente nas vertentes fiscal e sucessória. Porém, desculpem lá, não se me afigura necessário que ao contrato conjugal celebrado entre gays chamem… casamento. Mas pronto, se isso é problema, levem lá a bicicleta e deixem cá a campainha para a gente fazer música, chamem-lhe lá casamento e acabemos com a birra. O que não aceito mesmo é que se usem as chamadas "causas fracturantes" apenas para desviar as atenções daquilo que verdadeiramente importa. Isso não!!

Acho isso tão ridículo como aquela parada do orgulho gay em que tal orgulho é evidenciado através de mariquices exibidas em público. Imaginem só que agora a população heterossexual decidia também fazer uma marcha de orgulho, em que eles e elas exibiam as partes pudendas, exibições eventualmente complementadas com outras demonstrações cabais e definitivas das respectivas masculinidades e feminilidades? Havia de ser bonito… É por isto que este Natal apresenta indícios de Saturnália.

Enfim, Natal ou Saturnália, o que interessa é que todos passem umas Boas Festas!



As imagens foram colhidas nos locais para os quais apontam as respectivas hiperligações.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de página

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter