sábado, 2 de dezembro de 2006

Autoavaliação

“A mesma burra não me dá dois coices!” Esta é uma expressão popular a que recorremos quando pretendemos pôr em evidência a nossa capacidade de aprender com os próprios erros. Quem a usa, revela várias virtudes: sensatez (porque se dispôs a avaliar as suas acções), humildade (porque reconhece que errou), e determinação (por estar empenhado em não voltar a errar da mesma forma).
Portanto, a autoavaliação é, reconhecidamente, um exercício útil. Ainda assim, a autoavaliação não dispensa a avaliação externa, a qual complementa a primeira. Confrontando ambas é possível determinar onde é que a carga emocional retirou clarividência aos envolvidos nas acções avaliadas. Pode não ser bom para afagar o Ego, mas é, sem margem para qualquer dúvida, necessário (em especial, para corrigir aquilo que estiver menos bem).
Bom, chegou o momento de justificar a razão pela qual estou para aqui com esta conversa. Foi esta: assisti recentemente, na nossa praça, a um monólogo travestido de reclamação e resposta, no qual o reclamante e o respondente são, na prática, uma e a mesma entidade. Atenção! Não se tratou de um solilóquio (monólogo dirigido ao próprio orador). Foi antes uma ridícula encenação (patética, mesmo), dirigida ao público em geral sob a forma de aparente exercício de autoavaliação.
De autoavaliação não teve nada. De facto, não foi sensato (foi autismo), não foi humilde (foi narcisismo mórbido) e, finalmente, não revelou qualquer determinação em corrigir os próprios erros (os quais, aliás, nem sequer foram assumidos). Pelo contrário, quer a pretensa reclamação quer a fantasiosa resposta tiveram por única intenção desviar as atenções das avaliações externas efectuadas pelas diferentes forças políticas à acção do executivo socialista no município de Estremoz.
De acordo com a autoavaliação do PS vivemos no melhor dos mundos. Comovem‑se com uma mera reposição de calçada ou com a plantação de meia dúzia de árvores e tudo quanto não estiver alinhado com este paraíso na Terra é mera maledicência. Renega‑se todo o passado autárquico promovido pela CDU, persegue‑se inclusivamente (através de auditorias circunscritas a 31 de Outubro de 2005), mas ao mesmo tempo apropria‑se abusivamente de trabalhos antes desenvolvidos (Carta Educativa) e copia a prática de contratar empréstimos para pagar dívidas (cuja génese é de duvidosa legalidade, embora assumidas pelo actual executivo).Enfim, até podiam discordar (estavam no seu direito), agora fantasiar através de encenações? Foi uma oportunidade perdida para restaurar a confiança dos estremocenses. Estremoz precisa e quer que o PS execute o seu mandato no mínimo melhor que o anterior executivo. Não precisa dos antigos melodramas (variedade teatral que combinava a dramatização com canto e música instrumental).
[Publicado na edição do Jornal "Brados do Alentejo" de 01 de Dezembro de 2006 (http://bradosdoalentejo.com.sapo.pt/)]

0 Comentários:

Enviar um comentário

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de página

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter