quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Prescritores e prescrições

Quando viajo de automóvel, sozinho, a minha companhia é a rádio. Ouço música, escuto atentamente programas temáticos, rio-me com o humor do “Tubo de Ensaio” ou do “Governo Sombra” e, finalmente, aproveito ainda para ficar a par das notícias do país e do mundo. Curiosamente, os noticiários radiofónicos cativam mais a minha atenção e, ao mesmo tempo, desencadeiam em mim uma reflexão mais intensa em relação aos factos relatados e às opiniões veiculadas que os seus homólogos televisivos. Talvez seja pela ausência de imagens, talvez seja por serem mais objectivos, a verdade é que capto melhor as mensagens e as opiniões associadas a cada notícia quando as ouço na rádio.

A crónica de hoje tem a ver justamente com algumas das notícias que ouvi esta semana. Por exemplo, ouvi o bastonário da ordem dos médicos indignar-se com a possibilidade de os medicamentos de marca prescritos poderem vir a ser substituídos pelos seus equivalentes genéricos. Sinceramente, não vi qualquer razão atendível para justificar tanta indignação. Salvo melhor e mais fundamentada opinião, a responsabilidade médica termina com a prescrição da substância activa cuja toma vai combater as maleitas dos pacientes. É do INFARMED a responsabilidade de garantir que um genérico tem efectivamente a mesma composição química que o medicamento de marca, cuja patente caducou pelo mero decurso do prazo que garantiu a exclusividade de comercialização (ou de licenciamento da produção) ao laboratório que criou o fármaco. Em princípio, aquele prazo foi suficiente para ressarcir a empresa que desenvolveu o medicamento pelo esforço financeiro associado à respectiva investigação e desenvolvimento experimental. Findo o prazo, os preços de tais medicamentos devem estar sujeitos às demais leis do mercado, não devendo ninguém ser obrigado a pagar mais que o estritamente necessário.

Outra notícia que me fez pensar teve que ver com as reacções de algumas pessoas à intenção de automatizar as portagens e, consequentemente, limitar os pagamentos em níquel, em especial nas futuras ex-SCUT (auto-estradas até aqui não portajadas). Que pagar não agrade a ninguém, até compreendo, agora quando me falam que os dispositivos electrónicos associados às portagens (seja Via Verde, chip ou outros) são um atentado à reserva da vida privada já acho, manifestamente, um exagero. Enfim, adiante. Quem prescreveu uma boa solução para esta situação das futuras ex-SCUT passarem a ser portajadas foi, em 2005, o então Ministro das Obras Públicas e actual presidente da EDP, António Mexia. A opinião que então veiculou era que ninguém pagava portagens na área da sua residência. Na altura concordei e agora continuo a achar que esta era uma boa solução: toda a gente devia ter direito a 100 Km de auto-estrada gratuita. Aqui em Estremoz podíamos ir de Elvas a Montemor sem pagar um tusto… daí para a frente ou pagava ou ia por estradas secundárias. E como isentávamos os residentes? Lá está, com Via Verde ou dispositivo equivalente… Quem se sentisse atacado na sua privacidade pagava as portagens e não se falava mais nisso. Esta era a minha prescrição.

Notas:
  • Publicado na edição de 30Set2010 do Jornal Brados do Alentejo;
  • Também publicado em EstremozNet;
  • As imagens foram colhidas nos sítios para os quais apontam as respectivas hiperligações.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de página

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter