sexta-feira, 7 de maio de 2021

Sejamos solidários

 

Faz tempo que factos vividos na rua não justificavam que parasse para pensar e para refletir um pouquinho.

Sou estremocense de nascimento e de residência. Hoje, sexta, vi a minha pequena cidade agigantar-se, tal era a movimentação nas praças centrais. Fazia lembrar um dos melhores mercados tradicionais de sábado, dos tempos anteriores à pandemia. Mas, insisto, hoje é sexta. Qual foi então a principal razão que levou a uma concentração anormal de pessoas na cidade?

Dizem que estes eram, todos eles, desta etnia...

Suspense… foi Solidariedade!

Que bonito, dirão uns; WTF?, questionarão outros. Pois bem, aquilo que vi foi uma enorme onda de solidariedade de algumas pessoas relativamente aos seus semelhantes que estavam a ser ouvidos em audiência no Tribunal da Cidade. Esbracejavam, gritavam, diziam que os matavam a todos… enfim, só quem viu como eu vi. Rapidamente, já alguns estavam a considerar – não por estas palavras (as deles eram mais… Cara%$o! Fod%$-se! Put% que p@riu...) – perseguição étnica, discriminação, xenofobia ou racismo.

Afinal, sempre há pessoas solidárias com criminosos, que não gostam que estraguem o “negócio” de quem vive à conta do trabalho dos outros.

Quando me falaram que Estremoz tinha sido palco de criminalidade cibernética organizada, que através das funcionalidades do MBWay sacavam as poupanças aos mais incautos, estava longe de imaginar que tal génio criativo estivesse concentrado em pessoas de uma determinada etnia. Imaginava os antigos “ratos de biblioteca”, agora gurus informáticos, despenteados, borbulhentos, associais, com dificuldades em estabelecer diálogo com o sexo oposto e que, talvez por isso, preferiam descarregar a sua energia libidinal num computador.

Que enganado estava.

A polícia estabeleceu um perímetro de segurança em torno do Tribunal e sim, posso testemunhar, assisti ao vivo e a cores ao fenómeno da discriminação: pelo sítio por onde passei sem qualquer problema, vi ser barrada a passagem a dois indivíduos (da referida etnia) que alguns momentos antes vi a “largarem” impropérios à distância para com os agentes da autoridade, chamando-lhes tudo menos “mãe”.

Não querendo branquear uma ação manifestamente feia como a discriminação, devo confessar que compreendi e, mais grave ainda, aceitei de bom grado, o comportamento dos agentes policiais.

Agora pergunto eu: nós, integrantes da etnia dominante, também somos assim solidários com os nossos criminosos? Penso que não.

Penso também que ninguém aprecia violência policial nem abusos de autoridade. Por isso, acho eu, vai sendo tempo de sermos também solidários de vez em quando… desta feita, com as Polícias, com a Judite, com a de Segurança Pública e, até ou especialmente, com a Unidade Especial de Intervenção (se é que é assim que se chama).

Portanto, sejamos solidários

domingo, 24 de janeiro de 2021

Será que é desta?

 

Curioso: ainda não consegui, até à presente data, votar num candidato presidencial que, com o contributo do meu voto, se tenha tornado Presidente da República. Até aqui, ou acerto ao lado ou, como já aconteceu por várias vezes, nem sequer disparo.

1976

A primeira eleição presidencial da terceira república foi a de 1976. Se já tivesse idade para isso, votaria em Ramalho Eanes. Aliás, seria também a única vez em que o sentido de voto do meu município seria coincidente com o meu. Mas pronto, tive de esperar.

1980


Em 1980, confesso que não me recordo se votei efetivamente ou se tive problemas com o recenseamento eleitoral. Sei que, pelo menos numa das eleições desse ano, não consegui votar porquanto havia feito 18 anos em agosto e, em outubro, data da vitória de Sá Carneiro e da Aliança Democrática nas eleições legislativas, os cadernos eleitorais ainda não estavam atualizados. Porém, em dezembro, aquando das presidenciais, penso que já votei… mas, enfim, não estou em condições de jurar.

Se votei, votei em Soares Carneiro. Não por ele, mas porque tinha a certeza de que Sá Carneiro mandaria abaixo o recém-empossado governo da AD caso Eanes ganhasse a 7 de dezembro. Sá Carneiro e Amaro da Costa, os meus dois maiores ídolos da minha juventude política morreram a 4 de dezembro, o segundo porque foi assassinado e o primeiro de “acidente” porque ia com o outro no mesmo avião. De qualquer modo, o governo da AD continuou, mas já com Pinto Balsemão a liderá-lo.

Em Estremoz, como de resto em todo o país, o vencedor foi igualmente Ramalho Eanes.

1986


Em 1986 foi a única vez em que as presidenciais decorreram em duas voltas.

A 26 de janeiro, data da 1.ª volta, votei em Freitas do Amaral, o vencedor derrotado na 2.ª volta. Em Estremoz, claro, ganhou outro derrotado: Salgado Zenha.

A 16 de fevereiro, na 2.ª volta, voltei a votar em Freitas, porém quem ganhou foi aquele que também em Estremoz foi o mais votado: Soares.

1991


Em 1991, Miguel Esteves Cardoso, através dum suplemento do semanário O Independente (já não me recordo como se chamava), publicou uma coletânea de autocolantes satíricos para colocar no boletim de voto. Dessa eleição, a única coisa que recordo foi que demorei muito tempo a votar, mas o esforço foi compensado: consegui colar todos os autocolantes (sem bem que tive alguma dificuldade a fazer as duas dobras no boletim de voto).

Em Estremoz, como de resto em todo o país, o vencedor foi Mário Soares.

1996


Em 1996 votei em Cavaco Silva. Perante a alternativa, que vi como representando os “betos de esquerda”, achei a escolha certa. Mais tarde acabei por desenvolver um ranço tão grande por Cavaco Silva que hoje me sinto um pouco acabrunhado ao admitir que votei nele. Mas, enfim, as coisas devem ser sempre contextualizadas e, por conseguinte, tenho de assumir que o sentido do meu voto correspondeu ao meu sentimento na época.

Ah, já esquecia, em Estremoz ganhou Sampaio.

2001

 
Não, definitivamente não me revia em Jorge Sampaio… o homem tinha vindo do MES (se bem que este partido fosse, durante o PREC, o mais moderado do partidos de esquerda), juntando a isso uma mescla de catolicismo progressista com movimentos universitários (que integravam os meninos privilegiados doutros tempos), não ia à bola comigo.

Achei Ferreira do Amaral uma melhor escolha, não só porque tinha sido um bom Ministro do Comércio e Turismo (das Obras Públicas, por essa altura, ainda não dava para avaliar…), como, apesar de, tal como Sampaio, provir de famílias distintas, tinha a seu favor o facto de não se ter furtado ao serviço militar e ter estado em cenário de guerra (colonial), exatamente como estiveram os filhos das famílias comuns que não se conseguiam esquivar. Parecendo que não, para mim estes pequenos detalhes contam.

Em Estremoz, ganhou Sampaio.

2006

Confesso que não me recordo se fui votar ou se – e, nesse caso, pela 1.ª vez – me abstive. Do mesmo modo, votando, também não sei se foi em branco ou fiz algum desenho no boletim de voto. Recordo, sim – e aí muito claramente – que tive saudades do Miguel Esteves Cardoso e dos autocolantes do Independente.

Em Estremoz ganhou Cavaco.

2011


Está visto que a minha memória recente está pior que a de mais longo prazo. Só sei que não votei em nenhum destes candidatos. Não me lembro de que forma exprimi a minha indignação (abstenção, branco ou desenho).

Admito, todavia, que houve um candidato que quase me tentou: Fernando Nobre.

Em Estremoz ganhou o Sr. Silva (como lhe chamava, por esta altura, Alberto João Jardim).

2016


E pronto, chegámos à eleição antes desta (que dentro de horas começa).

Votei naquele que me pareceu o melhor, mais sério e mais bem preparado candidato: Henrique Neto. Achei que a visão empresarial se coadunava melhor com o cargo de presidente que a de “pregador de Domingo” (recordam-se de quem lhe chamou assim?)

Em Estremoz ganhou Marcelo.

2021


Daqui a algumas horas vou votar em Marcelo Rebelo de Sousa. A minha questão é se vou votar pela 1.ª vez num candidato vencedor. Acho que sim… mas deixa lá ver primeiro os resultados.

O meu entusiasmo é similar à forma como Nuno Krus Abecassis presidia à Câmara de Lisboa: a maior parte das vezes dormitava, algumas vezes dormia mesmo e, de quando em vez, chegava mesmo a soltar um ronco ressonante.

Acho uma certa piada a Marcelo – em especial, achei, quando chegou a um acidente na marginal do Estoril antes do INEM – mas acho que falhou, muito mesmo, no episódio da nomeação do Procurador Europeu que está a envergonhar Portugal.

Porém, perante as alternativas, sempre sou capaz de considerá-lo o menos mau… ou, talvez, o menos nocivo.

Passo a explicar: considero o discurso do Tiago Mayan muito consistente e acertado, em especial, quando ilustra o percurso de (sub)desenvolvimento de Portugal no quadro da União Europeia. Mas não chega para votar nele. Sou social democrata, liberal e reformista; ele é só liberal.

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Puro Sangue Alentejano

terça-feira, 7 de abril de 2020

A vida lá fora

terça-feira, 25 de junho de 2019

Miguel Araújo - E Tu Gostavas de Mim ("Casca de Noz" ao vivo no Coliseu ...

domingo, 11 de novembro de 2018

Vanesa Martín - Pídeme feat. Mariza (Videoclip Oficial)

quarta-feira, 11 de julho de 2018

THANK YOU, CRISTIANO RONALDO | Real Madrid Official Video

terça-feira, 20 de março de 2018

Dwinders

Odisseias! Talvez pudesse ser chamado assim o site de viagens do meu filho Nuno e da Emily. São histórias de viagens contadas na primeira pessoa, com fotos de cortar a respiração.

Parabéns a ambos

Dwinders

Odisseias! Talvez pudesse ser chamado assim o site de viagens do meu filho Nuno e da Emily. São histórias de viagens contadas na primeira pessoa, com fotos de cortar a respiração.

Parabéns a ambos

Dwinders

Odisseias! Talvez pudesse ser chamado assim o site de viagens do meu filho Nuno e da Emily. São histórias de viagens contadas na primeira pessoa, com fotos de cortar a respiração.

Parabéns a ambos

Receba os nossos artigos por e-mail

Related Posts with Thumbnails

Número total de visualizações de páginas

CQ Counter, eXTReMe Tracking and SiteMeter

eXTReMe Tracker
Site Meter